sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Como cuidar da criança deficiente vítima da violência?

Matéria extraída do desenvolvimento-infantil.blog.br


No post “Chega de violência contra crianças deficientes!” falamos de sinais característicos que podem evidenciar maus tratos contra essa criança. No post de hoje, indicaremos alguns caminhos para você, que atua na Primeira Infância, orientar pais, cuidadores e seus colegas sobre como lidar com essa violência.

Foi comprovado que determinada criança com deficiência física e/ou intelectual sofre violência? Então, está na hora de agir. Há três etapas de intervenção a serem seguidas pelos profissionais que atuam na rede de cuidado e proteção dessa criança (Educação, Saúde e Assistência Social).

A primeira é a Notificação/Denúncia, um documento que relata claramente a situação vivenciada pela criança aos órgãos responsáveis pelos serviços de atenção (Saúde, Educação e Assistência Social). Em seguida, a partir dessa notificação, todos os envolvidos nessa violência (a vítima e o agressor, especialmente) devem ser inseridos nas opções oferecidas pela rede de proteção e responsabilização (conselhos tutelares, Juizado da Infância e Juventude, por exemplo) que tratarão do caso. É o Acolhimento/Encaminhamento para proporcionar à criança ou à família um espaço de escuta e proteção e definir que atores ou serviços da rede de cuidado e proteção deverão participar do acompanhamento (médicos, psicólogos, psiquiatras, educadores, dentre outros). Por último está o Atendimento, uma etapa que procura prevenir novos eventos de violência contra aquela criança, principalmente quando a agressão acontece na família. Nessa fase, os especialistas (Assistência Social) orientam o agredido a como se cuidar e proteger-se de possíveis novas agressões e trabalham o vínculo entre a criança, a família e o agressor, com o objetivo de diminuir o isolamento da vítima e reduzir as oportunidades de repetição dos ciclos violentos.

Procura-se, nesse processo, não só focar na violência em si, mas diminuir o impacto emocional sofrido pela criança em todo o percurso, desde a denúncia e a responsabilização, até o processo de investigação, acompanhamento médico de lesões e, no caso de abuso sexual, do atendimento preventivo contra doenças sexualmente transmissíveis, como DST/AIDS.

Toda intervenção para casos de violência contra a criança deve seguir princípios previstos na Constituição Federal e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Um deles é que a criança e a família não podem ser acompanhadas por um único serviço da rede ou por um único profissional, mas por um conjunto articulado de serviços e pessoas. Ou seja, é fundamental que haja uma integração da rede de proteção e cuidado para que se as intervenções sejam mais qualificadas e alcancem seus objetivos, resgatando o bem-estar e a segurança dessa criança.

Por isso, lançamos aqui uma pergunta para você que atua na Primeira Infância: na sua cidade ou região existe esse trabalho integrado para que a criança com deficiência receba o cuidado e a proteção necessários?

Antes de dar sua resposta, lembramos que este post foi inspirado no conteúdo disponibilizado pela APAE DE SÃO PAULO para subsidiar o trabalho dos profissionais da Primeira Infância que atuam com crianças com deficiências físicas e intelectuais. O material original é da autoria dos especialistas Marco Aurélio Teixeira de Queiroz, Aguinaldo Aparecido Campos, Deisiana Campos, Juliana d’Avila Delfino e Rita de Cassia Kileber Barbosa.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Chega de violência contra crianças deficientes!

Post extraído do desenvolvimento-infantil.blog.br



Crianças com deficiência, especialmente a intelectual, são pouco ouvidas e respeitadas pela sociedade. Muitas pessoas acham que o que elas falam ou fazem não pode ser levado a sério, afinal, “não sabem o que dizem”. Você, que atua com a Primeira Infância, tem o papel de mudar essa visão distorcida e prejudicial ao bem-estar de meninos e meninas nessa condição. É sobre isso que falaremos neste post.

O problema é sério. Para muitos, crianças, adolescentes e adultos deficientes não têm voz. O “não escutar”, “não enxergar”, “não dar valor” ao que dizem, pensam e sentem esses indivíduos significa reproduzir e reforçar a violência, contribuindo para uma cultura de exclusão social.

A criança deficiente se expressa como qualquer ser humano, ou seja, se o comportamento dela muda, algo pode estar errado e por isso ela precisa ser acolhida e compreendida. Isso significa que pais, familiares e cuidadores tem de rever a maneira como olham para ela, parando de interpretar suas manifestações como comportamentos disfuncionais ou atitudes fantasiosas, recriminando-a por isso. Porque esse menino ou essa menina pode estar sofrendo algum tipo de violência.

Qualquer pessoa que, de alguma forma, tenha responsabilidade sobre essa criança, precisa estar atento. Certos sinais e comportamentos são mais comuns e podem ajudar a identificar casos suspeitos de violência.

A criança era calma e de repente fica violenta ou, ainda, era agitada e passa a se comportar com muita timidez e resguardo… Essas mudanças têm de ser analisadas para avaliar se há algo errado com a criança. O medo exagerado em determinadas situações também é outro indicador.

A menina ou menino deficiente, cotidianamente calma e afetiva, começou a se agredir ou agredir as pessoas ao seu redor? Alerta vermelho!

Você percebeu que ela tem aparecido com lesões, roupas rasgadas ou sujas e arranhões? De novo, é preciso investigar, urgentemente.

Também, de repente, a criança se descuida da higiene pessoal ou muda seus hábitos alimentares (come pouco ou come demais). Passa a urinar sem controle, dia e noite (enurese) ou a fazer suas necessidades fisiológicas em lugares inadequados (encoprese). Mudança no sono pode ser outro sinal da violência, assim como a erotização exagerada e fora do esperado para a idade.

Na escola, a frequência pode se tornar irregular, assim como apresentar dificuldade de concentração e aprendizagem fora dos padrões normais para cada caso. Outro efeito da violência é o repentino isolamento social, quando ele não faz parte do quadro de deficiência da criança.

Diante de dúvidas ou desconfianças, é essencial buscar ajuda profissional, acolher e proteger essa criança. O importante é estar atento e não desprezar qualquer mudança de comportamento. É o seu papel alertar, orientar, cuidar e, se a violência for comprovada, denunciar.

Este post foi inspirado no material dos especialistas Marco Aurélio Teixeira de Queiroz, Aguinaldo Aparecido Campos, Deisiana Campos, Juliana d’Avila Delfino e Rita de Cassia Kileber Barbosa, fornecido pela APAE DE SÃO PAULO, parceira da FMCSV para a troca de conteúdos sobre o desenvolvimento da criança pequena com deficiências físicas e intelectuais.

sábado, 14 de outubro de 2017

Garoto surdo cria campanha para arrecadar dinheiro para outras crianças surdas


Braden Baker, de 10 anos, usa aparelhos auditivos desde que era um bebê. Ele soube que o aparelho custa 3 mil dólares quando o seu cachorro mastigou o seu e o destruiu. O menino também descobriu que o seguro não cobre a substituição. Braden então parou pra pensar que muitas crianças surdas não têm acesso aos aparelhos por causa desses motivos.

Então o garoto começou uma campanha nobre, com o objetivo de arrecadar dinheiro para conseguir comprar um aparelho auditivo para alguém que precisasse dele. 

Assim que conseguiu para a primeira pessoa, o garotinho repetiu o feito 5 vezes.

No total, ele conseguiu arrecadar US $ 15 mil em dois meses, quase R$ 50 mil.

Com a ajuda da Oticon Hearing Foundation, que procurou o menino quando descobriu sobre a sua campanha, Braden conseguiu dar o presente da audição para cinco crianças surdas, de famílias menos afortunadas.

Na semana passada, o garoto e sua mãe entregaram um cheque de US $ 15.000 para a Fundação, e quinta-feira foram notificados de que uma parte desse dinheiro comprou baterias de aparelhos auditivos e suprimentos para pessoas surdas em Houston, afetadas pelo furacão Harvey.

“Acho que o presidente da Oticon tomou uma decisão inteligente ao usar o dinheiro para ajudar nosso estado natal do Texas, especialmente as pessoas com deficiência auditiva!”, disse Braden ao GNN.

Um dos sonhos do garoto é viajar pelo mundo para conseguir distribuir aparelhos auditivos para pessoas pobres em diferentes países. E graças ao próprio esforço e a campanha, ele tem grandes chances de realizar esse desejo.

Kamal Elliot, uma médica especializada em audição que ajuda em viagens de missão humanitária ao redor do mundo, conheceu Braden e a mãe Ashley em Oticon e sentiu uma “conexão instantânea”, disse ela.

Eles pretendem organizar uma viagem missionária, que poderá ter o nome de Braden, para mostrar o tamanho do sorriso e o impacto que a audição provoca nos surdos.

Assista ao vídeo:



Matéria extraída do Razões para Acreditar
Via Só Notícia Boa

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Perda de audição

dr_setubal_Perda_de_audição_29_08_2017

Embora a perda possa ocorrer a qualquer idade, as dificuldades de audição no nascimento ou que se desenvolvem durante a infância e os anos de criança podem ter sérias consequências. Isso ocorre porque a audição normal é inicialmente necessária para entender a linguagem falada e, mais tarde, para produzir uma fala clara. Consequentemente, se uma criança experimenta perda auditiva durante a primeira infância, exige atenção imediata. Mesmo uma perda auditiva temporária, mas severa durante este período pode tornar muito difícil para a criança aprender linguagem oral adequada.

A maioria das crianças sofre perda auditiva leve quando o líquido se acumula na orelha por alergias ou resfriados. Esta perda auditiva geralmente é temporária. A audição normal geralmente se retoma uma vez que o resfriado e as alergias diminuem e o tubo de Eustáquio (que liga a orelha média à garganta) drena o fluido restante na parte de trás da garganta.

As crianças que não ouvem tão bem como devem, às vezes apresentam atrasos na fala. Muito menos comum é o tipo permanente de perda de audição que sempre põe em perigo o desenvolvimento normal da fala e da linguagem. A perda auditiva permanente varia de leve ou parcial a completa ou total. Existem dois tipos principais de perda auditiva:


Perda auditiva condutiva


Quando uma criança tem uma perda auditiva condutora, pode haver uma anormalidade na estrutura do canal auditivo externo ou ouvido médio, ou pode haver fluido na orelha média que interfira com a transferência de som.


Perda auditiva sensorial (também chamada de surdez nervosa)


Este tipo de deficiência auditiva é causada por uma anormalidade da orelha interna ou dos nervos que transportam mensagens sonoras da orelha interna para o cérebro. A perda pode estar presente no nascimento ou ocorrer pouco depois. Se houver uma história familiar de surdez, a causa provavelmente será hereditária (genética). Se a mãe teve rubéola, citomegalovírus ou outra doença infecciosa que afeta a audição durante a gravidez, o feto poderá ser infectado e pode perder a audição.

Ainda assim, na maioria dos casos, nenhum outro membro da família terá perda de audição porque cada pai é apenas um transportador para um gene de perda auditiva. Isso é chamado de “padrão autossômico recessivo”, em vez de “dominante”, no qual seria esperado que outros membros da família de um lado tivessem perda auditiva. Futuros irmãos e irmãs da criança têm um maior risco de sofrer deficiência auditiva e a família deve buscar aconselhamento genético se a perda auditiva for determinada a ser herdada.

Aqui estão os sinais e sintomas que devem fazer você suspeitar que seu filho tem uma perda de audição:

  • A criança que não se assusta com barulhos altos depois do primeiro mês ou não se volta para a fonte de um som após quarto mês de idade.
  • Ela não percebe você até vê-lo.
  • Ela se concentra em ruídos vibrantes que possa sentir, ao invés de experimentar com uma grande variedade de sons e consoantes de vogais.
  • Sua fala está atrasada ou difícil de entender, ou ele não diz palavras únicas como “dada” ou “mama” aos doze aos quinze meses de idade.
  • Ele nem sempre responde quando chamado. (Isso geralmente é confundido com falta de atenção ou resistência, mas pode ser o resultado de uma perda de audição parcial).
  • Ele parece ouvir alguns sons, mas não outros. (A perda auditiva afeta apenas sons agudos, algumas crianças têm perda auditiva em apenas uma orelha).
  • Ele parece não apenas ouvir mal, mas também tem problemas para manter a cabeça firme, ou é lento para se sentar ou andar sem suporte. (Em algumas crianças com perda auditiva neurossensorial, a parte da orelha interna que fornece informações sobre o equilíbrio e o movimento da cabeça também está danificada.)

A perda de audição deve ser diagnosticada o mais breve possível, de modo que a criança não tenha problemas na aprendizagem do idioma.

Fonte: institutopensi.org.br

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

5 frases para nunca dizer a pais de crianças deficientes

Mesmo que a intenção seja a melhor possível, algumas frases ditas com muita frequência para pais de crianças com deficiência magoam e até ofendem. A seguir, confira 5 exemplos que devem ser evitados


criança deficiente síndrome de down

1. “Pais especiais recebem filhos especiais”

Pode parecer um elogio, mas traz uma mensagem dúbia. O fato de ter um filho com deficiência não faz de ninguém uma pessoa melhor ou pior. A maneira com que os pais lidam com a situação, sim, podem transformá-los e levá-los a enxergar as coisas de outra forma. Por trás desse clichê, há a ideia de que esses pais “mereceram” uma criança com deficiência e, por isso, devem suportar todas as implicações que isso traz sem reclamar. O bordão minimiza o sofrimento e a luta dessas pessoas.

Quer dar uma palavra de apoio? Que tal substituir por “Vocês são os melhores pais que essa criança poderia ter”? 


2. “Você deve cuidar bem de si para cuidar melhor de seu filho”

A frase é destinada especialmente às mães (reflexo de machismo). Embora haja uma parcela de verdade, soa ofensiva. Afinal, ninguém sabe o quão atribulada é a rotina dos pais. Além de muitas vezes exigirem cuidados diferenciados em casa, as crianças costumam frequentar fisioterapia, consultas médicas, fonoaudiólogo etc. Quem não gostaria de passar algumas horas se cuidando em vez de coordenar horas de terapia e outras coisas da família?

Se a intenção é ajudar a pessoa que está precisando de um tempo para si, não critique. Ofereça algumas horas do seu próprio tempo para cuidar da criança enquanto a mãe vai sair com amigos ou o pai quer cortar os cabelos (ou apenas quando eles querem tirar uma soneca). Essa colaboração será mais do que bem-vinda.


3. “O que houve com o seu filho?”

É um pecado mortal desejar saber o que se passa com a criança? Não. Só que, em algumas circunstâncias, os pais não têm todas as respostas. Há casos em que os diagnósticos demoram anos para terem uma conclusão. E, em português claro, esse tipo de informação não é da conta de ninguém. Aliás, é um direito dos pais proteger a privacidade do filho e que devem falar sobre o assunto apenas se tiverem razões apropriadas para isso.

Se você está perguntando por querer demonstrar seu interesse, o melhor, sempre, é mostrar que está à disposição para ouvir. Seus amigos têm um filho com uma deficiência e estão cheios de problemas? Deixe que desabafem, sem fazer perguntas.

4. “Como você consegue? Deve ser muito difícil…”

Criar filhos não é fácil. Mas, a partir do momento em que alguém escolhe ser mãe ou pai, procura dar o seu melhor, independentemente de o filho nascer ou não com uma deficiência. Comparar uma criança a um fardo é de um tremendo mau gosto, insensibilidade e um engano: crianças sempre dão alegrias aos seus pais. E cada um se vira com o que tem e como pode, e isso não é da conta de ninguém.

Mais uma vez, vale a dica: se você está realmente preocupado com a rotina sobrecarregada dos pais de uma criança (qualquer uma, aliás), ofereça ajuda. Se os pais estão sem tempo de ir ao banco pagar uma conta, faça isso. Comprar mantimentos no mercado, tomar conta das crianças, levar o carro no mecânico… Qualquer coisa útil.

5. “Só nos é dado aquilo com que conseguimos lidar”

Isso supõe que a pessoa tem de enfrentar ou aprender a encarar a situação. A questão é: e se ela não puder lidar com isso? Ou, pior, e se essa frase for dita justamente no momento em que os pais desejam compartilhar suas angústias e pedir ajuda? Dizer algo assim pode fazer com que eles sintam que não podem discutir seus sentimentos e preocupações, porque eles “supostamente” devem saber lidar bem com as circunstâncias.

Quando a sua intenção é mostrar admiração por uma pessoa que cuida bem do filho ou filha, troque a frase acima por “Eu admiro seu esforço e dedicação”. É mais gentil.

Matéria extraída do boainformacao.com,br
Fonte: Juliana Endres, especialista em turismo/hotelaria, mãe de Isadora, 3 anos, que tem Síndrome de Williams; Leticia Gomes Gonçalves, psicóloga, doula, consultora em disciplina positiva, escritora no blog Conversa entre Marias e tia do Levy, 7 anos, que tem paralisia cerebral; Marley Galvão, jornalista, escritora no blog Mundo da Bela, mãe de Isabela, 6 anos, que tem paralisia cerebral; Monica Pessanha, psicopedagoga e psicanalista infantil e de adolescentes, de São Paulo (SP), e Sueli Adestro, coordenadora da equipe da área pedagógica do serviço de reforço escolar Tutores BR (UOL)